Pastifício Primo Fortaleza no jornal O Povo!

O frescor das massas artesanais

06/07/2018 | 01:30

Sacotinni de carne de sol, queijo coalho e cebola caramelizada, especialidade do Pastificio Primo (R,90 %u2013 o quilo). Além dos pratos do menu, a casa também vende as massas artesanais separadamente Julio Caesar/O POVO

Por Bárbara Bezerra

Pode-se falar que o ponto alto das massas é a versatilidade. Servidas no almoço ou no jantar, com ou sem molho, este alimento teria ganhado destaque na gastronomia há cerca de cinco mil anos, na Mesopotâmia. Surgiu paralelo ao cultivo do trigo, foi comercializado na China, popularizado na Itália e tornou-se protagonista na culinária de países por todo o mundo, incluindo, sem dúvidas, o Brasil.

A forma original de preparar massas sofreu transformações com o crescimento da industrialização no setor de alimentos. O que era feito manual, sem uso de conservantes, corantes ou aditivos químicos, passou a ter outro tipo de processo, incluindo novas técnicas que, segundo o pastaio Ignacio Capelo, responsável pela produção artesanal do Pastifício Primo, afeta não só o sabor, mas a essência do alimento.

Graças à crescente busca pelo resgate da comida saudável, movimento que ganha destaque na gastronomia desde o final dos anos dois mil, as raízes das massas feitas de forma artesanal estão sendo revividas. Restaurantes apostam em menus com versões frescas deste alimento, na maioria das vezes produzidos diariamente, sem conservantes e corantes, buscando preservar o sabor original das receitas.

As texturas, os formatos, sabores e temperos cada vez mais exóticos fazem das massas artesanais um verdadeiro sucesso na culinária contemporânea. Além de encontradas no cardápio de restaurantes, elas também são vendidas em locais especializados no assunto, podendo chegar à casa do cliente semiprontas.

O frescor dos ingredientes é o verdadeiro segredo do sabor leve e delicado. ‘’É igual a tomar um café feito agora ou um café feito na semana passada. Não tem comparação, né? Com as massas funciona da mesma forma’’, conta Ignacio sobre a importância de priorizar uma produção artesanal diária.

Ele também faz o alerta para a diferença das massas caseiras, feitas sem grandes instruções, e das artesanais, que demandam a união de técnicas, estudos especializados, além de alto padrão de qualidade e higiene durante a produção. Há também a versão integral, que são chamadas de massas rústicas. Elas demandam maiores cuidados na hora do preparo e guardam um sabor mais marcante, áspero e aromático.

 

Pastifício Primo Fortaleza

Onde: Desembargador Leite Albuquerque, 350 – Aldeota
Quando: domingo a domingo

Contato: 30232520
Instagram: @pastificioprimofor

Deixe um comentário